Entenda os processos de precificação de Renda Fixa

Geralmente os títulos de renda fixa apresentam uma variação na remuneração que eles pagam, ou seja, na taxa de juros. O preço dos títulos do Tesouro Direto e o montante que se arrecada, por exemplo, estão constantemente apresentando variações. Isso acontece por conta de uma atualização no preço dos ativos que é chamada de marcação a mercado. Mas como isso atinge a precificação dos títulos de renda fixa?

Bom, aqui não vou te colocar para fazer nenhum cálculo que vai te fazer fritar o cérebro. Vou te explicar de forma simples como isso acontece como os processos de precificação dessa variante de renda acontece.

Títulos pós-fixados (Ou Tesouro Selic – LFT)

Aqueles que você remunera a partir da Taxa Selic e do DI. Esses dois são indexadores que pagam no período do vencimento aquilo que o Selic varia durante esse período.

A precificação desses títulos acontece de uma forma bastante simples e sem mistério: A partir do preço inicial há uma atualização diária de acordo com o quanto varia o indexador.

Então, a variação do DI ou Selic será sempre acrescida no dia anterior ao vencimento no papel. 

Podem existir fatores que trabalhem no aumento ou diminuição do preço, o que gera um impacto direito ao rendimento e investidor. Alguns deles para você ter noção: deságio ou ágio pela demanda do título.

Então, só para fixar: quanto maiores forem Selic ou DI, mais eles pagam. Eles vão funcionar conforme a flutuação dos juros, mas visando sempre estar em uma crescente.

Títulos pré-fixados e atrelados à inflação (Tesouro Prefixado – LTN)

É preciso muita atenção na forma de arrecadação desses títulos. Uma parte desse título é fixa, então você sabe o quanto ela pode variar e o quanto ela pode remunerar. Outra, por sua vez, vai estar atrelada à inflação a partir de um índice, como o IGP-M ou IPCA, por exemplo.

E por conta dessa divisão entre o fixo e a variável de juros, o pagamento também vai acontecer de forma diferente. A primeira parte a cada seis meses, que são os juros e a segunda parte, que é a principal e fixa, no outro semestre.

É sempre válido dizer que para cada tipo de renda fixa existe uma diferença na hora do cálculo. De modo geral seguem a mesma regra? Sim, mas é sempre bom se informar para entender como cada um funciona conforme os seus processos.

Só cuidado!

Na hora de vender um título, aguarde sempre para que o preço marcado no papel seja compatível com o que você investiu. Muita gente que acaba vendendo antes, perde o dinheiro que investiu. É melhor ter paciência e aguardar pelo menos uma remuneração equivalente com o que foi contratada.

Qual título de renda fixa é o melhor?

Não acredito que exista um melhor título de renda fixa que seja melhor. Acredito que exista aquele que é adequado para você. Por isso é tão fundamental você se informar e entender como funciona o mercado.

E já que estamos falando nesse assunto, separei um guia para te ajudar a se situar um pouco mais sobre assunto. Aqui você vai encontrar informações ricas para tirar todas as suas dúvidas sobre investimentos.

Fontes:

  • Experiência alocando centenas de profissionais no Mercado Financeiro.
  • +100.000 horas observando as movimentações do Mercado.
  • Insights dos Sócios e Diretores das maiores casas de finanças do mundo.